Mastopexia

(Elevação de mama / mamoplastia de elevação)

Para a mulher, a importância de ter seios bonitos, firmes e proporcionais transcende o simples aspecto estético. Quando ela não está satisfeita com a aparência deles, sua autoestima e a segurança em relação a sua feminilidade ficam seriamente abaladas, comprometendo, emocionalmente, sua qualidade de vida.

Para as mulheres que apresentam ptose (queda), flacidez e assimetria nas mamas, a mamoplastia de elevação, ou mastopexia, é o procedimento mais indicado. A cirurgia é indicada para mulheres com mais de 35 anos ou aquelas que já tiveram filhos e não desejam outras gestações. Vários são os fatores que podem influenciar e comprometer a aparência dos seios, como será detalhado a seguir. O procedimento pode ser feito individualmente ou em associação com a mamoplastia de reduçãoou de aumento.

Quais as causas para as mamas mudarem de forma?

Embora existam muitos fatores que possam contribuir para a flacidez das mamas, o processo de envelhecimento e os efeitos da gravidade exercem um papel importante nessas alterações. Com o passar do tempo, a pele da mama perde a elasticidade, tornando-se flácida. As mamas aumentam durante a gestação e a amamentação, o que faz a pele esticar ainda mais. À medida que as mamas diminuem de tamanho após a gravidez, a pele que estava esticada se torna flácida. Por fim, as mudanças de peso e até as alterações hormonais podem modificar o aspecto das mamas. Esses fatores, associados, podem fazer a mama cair ou, em alguns casos, inclinar para baixo.

O pré-operatório do procedimento consiste na realização de todos os exames laboratoriais prescritos pelo médico, na suspensão de medicamentos anticoagulantes – como o ácido acetilsalicílico – e em ter cigarro e bebidas alcoólicas evitados nos dias anteriores à cirurgia. Além disso, deve ser realizado jejum absoluto de sólidos e líquidos nas oito horas que antecedem o procedimento. Em caso de gripe ou mal estar, o médico deve ser avisado.

Pós-Operatório

Para que o resultado da cirurgia seja o esperado, é imprescindível o cumprimento de todas as orientações pós-operatórias e a não realização de esforço.

Durante o pós-operatório, é comum a presença de dores leves, que são controladas com analgésicos prescritos pelo cirurgião. Além disso, pode haver edemas e equimoses, que desaparecem em algumas semanas. As bandagens e os drenos – se houver – são removidos em alguns dias. Os pontos são tirados no período de sete a catorze dias.

 

O uso do sutiã cirúrgico é obrigatório por, pelo menos, quatro semanas – ou segundo prescrição médica. Ele ajuda a diminuir o inchaço evitando a formação de líquido, além de proporcionar conforto e sustentação. É importante evitar atividades pesadas (como a prática de exercícios físicos) por, no mínimo, quatro semanas, a fim de dar tempo suficiente ao corpo para uma cicatrização eficiente.

 

Uma diferença no formato e na posição das mamas pode ser percebida logo após o procedimento. À medida que o inchaço diminuir e as mamas se adaptarem às novas posições, mudanças ainda maiores poderão ser observadas. Os resultados finais podem ser percebidos de seis meses a um ano.

 

É importante lembrar que uma gravidez após uma mastopexia pode comprometer os resultados da cirurgia, pois os efeitos da amamentação podem fazer com que as mamas fiquem flácidas e mudem de forma novamente. Apesar de a mamoplastia de aumento não impedir o processo de envelhecimento, ela pode ajudá-la não apenas a melhorar a posição de suas mamas, como também deixá-las mais firmes por muitos anos.

Prótese mamária e Técnicas de cirurgia

O médico avaliará o grau da ptose – queda das mamas – para determinar o procedimento mais adequado. Existem três graus de ptose, determinados pela posição da aréola em relação à prega inframamária (linha abaixo do seio) e ao esterno (osso no qual estão ligadas as costelas). Eles podem ser classificados como: leve – quando a aréola está na prega inframamária –, moderado – quando a aréola está aproximadamente um ou dois centímetros abaixo da prega – e acentuado – quando a aréola está dois ou três centímetros abaixo da prega e inclinada para baixo.

Especificações

Anestesia: local com sedação ou peridural alta 
Duração da cirurgia: entre duas e quatro horas
Tempo de internação: entre 12 e 24 horas
Pré-operatório: realização de exames laboratoriais e suspensão do uso de medicamentos como, por exemplo, anticoagulantes
Pós-operatório: uso obrigatório de sutiã cirurgico por no mínimo, um mês
Tempo de recuperação: 7 a 14 dias

PERGUNTAS FREQUENTES:

1.Qual o tamanho das cicatrizes e onde ficam localizadas?
Cada tipo de mama necessita de um tamanho e tipo de cicatriz T invertido, L, vertical ou periareolar.

 

2. As cicatrizes necessárias para realizar a mamoplastia redutora são visíveis?
A percepção visual das cicatrizes são maiores na cicatrização hipertrófica e muito discreta nas cicatrizações de boa qualidade.
A qualidade da cicatriz varia geneticamente, localização no corpo, técnicas utilizadas e cuidados pós operatórios.

 

3. Existe tratamento para cicatrizes grosseiras nas mamas?
O ideal é o acompanhamento pós operatório da evolução cicatricial e prevenir com tratamento que ela ocorra.
Se apesar da prevenção a cicatriz hipertrófica ocorrer pode-se recorrer a infiltrações ou até sua remoção cirúrgica e posterior betaterapia

 

4. Como ficarão minhas mamas no pós operatório. Quais as mudanças?
O volume será definido baseando-se em uma harmonia com o seu corpo como um todo, podendo-se optar por mamas um pouco mais fartas ou menores.
Com relação consistência ela será bem menos flácida, mais rijas e elevadas.
Além destes dois itens são evidenciados os “colos das mamas”, correção do tamanho e formato das aréolas e, ou redução dos mamilos “bicos”.

5. Como é a evolução pós operatória?
Nos 30 primeiros dias as mamas apresentam-se inchadas, com alguns hematomas e pequenas irregularidades que vão melhorando com o tempo.
Após 30 dias o inchaço diminui, a mama tende a ficar mais macia, as cicatrizes se acomodam e as mamas evoluem em direção ao resultado final.
Aos 6 meses as mamas estão muito próximas ao resultado definitivo.
Dos 2 aos 6 meses podem ser necessários pequenos retoques para o aprimoramento dos resultados.

6. A gravidez estraga o resultado da cirurgia plástica?
Na maioria das vezes o prejuízo é muito pequeno porque com a redução cirúrgica a quantidade de glândula é menor, consequentemente o aumento do volume mamário também é menor.
Quando ocorre queda, pode-se realizar uma cirurgia de pequena dimensão para recuperar o resultado inicial.

7. O pós operatório é doloroso?
Não, na maioria das vezes o simples uso de analgésicos e antiinflamatórios tornam o pós operatório confortável.

8. A cirurgia de mamoplastia é arriscada?
A incidência de complicações sérias em plástica de mama é muito rara.
A avaliação pré operatória e observadas as condições técnicas necessárias para realização deste procedimento, o risco assemelha-se a viajar de automóvel.

9. Qual anestesia é necessária para realização da plástica redutora?
Pode-se utilizar anestesia local e sedação na maioria dos casos, podendo-se optar por peridural alta geral.

10. Qual o tempo de cirurgia?
O tempo de duração do procedimento é de 2 horas.

11. Qual tempo de internação?
De 12 a 24 horas de internação.

12. Quanto tempo depois da cirurgia posso tomar banho completo?
O ideal é após 24 horas.

13. Pode-se usar cola cirúrgica?
Sim, o uso de cola cirúrgica ajuda nos cuidados pós operatórios.

14. Com quanto tempo pode ou devem ser retirados os pontos?
Geralmente em torno do 10º ao 15º dia do pós-operatório.

15. Quando posso voltar a trabalhar?
A volta as atividades básicas, rotineiras, evitando-se esforço físico e com cuidado pode ser em 10 dias. Caminhadas após 30 dias e liberdade para ginástica progressivamente após 60 dias.

VOLTAR

© 2019 by Dr. Danilo Dias l  Cirurgia Plástica